A faixa da bolota amarela

Sempre me perguntam: “Zizo, qual o seu lugar favorito em Londres?” E sempre fico pensando, pensando… Mas já encontrei a resposta! É um lugar onde sou absolutamente respeitado, como não há igual em qualquer lugar do Brasil!! Onde literalmente param para me deixar passar! Um fish & chips pra quem disser a resposta!! Meu local favorito em Londres são… as faixas de pedestre (também conhecidas entre os gaúchos como “faixa de segurança”, e entre os cariocas, como “zebra”, certo?… ah esses dialetos brasileiros…).

Aos leigos de Londres, explico: existem várias faixas de pedestres onde não há semáforos, e nestas zebrinhas, situadas invariavelmente junto a um ou dois postes com bolotas de luz amarela no topo, os motoristas, ao avistarem um pedestre por ali, são obrigados a parar. Aliás, tirando as bolas luminárias, nada diferente de como é (seria) no Brasil. Quer dizer, a única diferença é na educação: na Inglaterra os motoristas realmente param.

E é bonito ver um povo educado! Às vezes me pego ali, imóvel, a admirar as pessoas a atravessar e os carros a parar… Poesia urbana! (e não to falando dessa rima estúpida!). Outras vezes eu mesmo vou e volto, cheio de orgulho e felicidade, só pra exercitar minha cidadania em frente a veículos calmamente respeitosos. Não é lindo?? Sonho profundamente que um dia assim seja também no nosso Brasil!

Mas nem sempre foi assim por aqui. Quando bem guri, na minha primeira vez em Londres, em 1989, conheci o Arnaldo, santista que nada falava de inglês. Seu conhecimento não ia além do básico: hello, how are you, I´m fine, thanks, and you. Pois certo dia o Arnaldo cruzava a rua numa dessas faixas… E não hesitou em atravessar sequer sem olhar para os lados, sábio que a prioridade era sua. Pois não é que um desavisado motorista não percebe o jovem paulista e encosta seu carro no garoto?! Não foi um grande atropelamento, mas o suficiente para derrubar o Arnaldo.  Desesperado ao vê-lo caído ali no chão, o aflito condutor pula do veículo para acudir nosso conterrâneo:

- Oh, my God!! How are you??? – pergunta o preocupado motorista inglês.

E o Arnaldo, meio baratinado e ainda no chão:

- I´m fine, thanks, and you?

 

 

17 comentários para “A faixa da bolota amarela”

  • Henrique Kugler disse:

    Graaande Zizo! Ha, pertinente o post! Muito me lembra a situação aqui no Rio — onde sou quase atropelado entre 3 e 7 vezes por dia. Ah, e tá maneiro esse teu blogue! Dia desses tu acabas ganhando medalha: o brasileiro que mais conhece Londres – o cara tem praticamente um pós-doutorado de viajante na capital britânica, hehehe. Hasta. Absss!

  • Larissa Moraes disse:

    Sinto falta dessas coisa…

  • Nívia Gouveia disse:

    Aqui no Brasil eu só conheço duas faixas de pedestre (quase) como as de Londres. Uma fica no Recife, no bairro de Casa Forte, entre o Shopping Plaza e o Hiper. Sabe como é, né? Bairro nobre, gente rica, tal e coisa… A outra fica em Brasília, entre os anexos 2 e 4 da Câmara dos Deputados. Todo mundo para o carro para o pedestre. Não sei porque, né?

  • M Beatriz de Carvalho disse:

    Eu morei na Alemanha e posso dizer que o lance de esticar a mão funciona muito bem. É só esticar e o automóvel pára para crianças, jovens, adultos e velhos. Assim como os ciclistas sinalizam com a mão conforme o lado que deseja virar na ciclovia. E também pára na esquina para as pessoas passarem.

  • Eduardo Assunção disse:

    Emm POA tem o lance de esticar a mão, mas não funciona…

    • Zizo Asnis disse:

      Acho que esse lance de esticar a mão em POA funciona mais ou menos… Tem carros que param sim (eu!!! e mais alguns…) mas falta educar mais o povo… temos q continuar tentando, quem sabe em mais uma ou duas gerações, que primeiro aprendam a caminhar antes de dirigir, isso não funcione quase 100%?!

      • Regina Krumholz disse:

        só para complementar esse lance da mão: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=U6dwiXHbJAo

        • Zizo Asnis disse:

          Eu já havia assistido a esse vídeo, é muito bom. Agora, nessa cena final que ele tenta atravessar a rua, os caras da produção pisaram na bola, ou fizeram o negócio fake, pra ninguém parar mesmo. Repara onde foi filmado isso: na Osvaldo, em frente à Redenção e ali tem sinaleira/semáforo, portanto não é para os carros pararem mesmo!

          • Regina Krumholz disse:

            aiiiiii ato detalhismo, aproveita a ideia….rsssss

          • Zizo Asnis disse:

            hahaha… não posso!!! ali os caras tão falando mal de porto alegre injustamente!!! sou contra todo tipo de injustiça!! rs… mas fora isso o vídeo é show, até divulguei aqui no facebook há quase uma semana…

            Até pelo seguinte: quantos carros passam pelo cara sem parar? Uns 15 ou 20… na “vida real” duvido que passariam mais de 10 sem que um parasse…

  • Luisa disse:

    Adorei o Arnaldo! haha
    Com relação à faixa de pedestre, aqui em SC também acredito que já estejam parando bastante para deixar o pedestre passar (não tanto quanto os lordes ingleses, mas já é um início). Não há muito o que reclamar!

  • José Jayme disse:

    O mais interessante é a faixa da Abbey Road. As pessoas vão tirar fotos enquanto os carros param. Quando percebem que os “pedestres” na verdade nao querem passar para o outro lado e sim tirar uma foto como na classica capa dos Beatles, eles começam a businar

Comente este post

Travel-writer Z.
Zizo Asnis
Viajante na vida, publicitário no diploma, jornalista na prática, escritor no ofício, fotógrafo no instinto, cineasta na beirada. Ou apenas travel-writer, já que outra tradução não há. Brasileiros na Europa ou na América do Sul me culpam pelos Guias O Viajante. Dever cumprido.
travel-writer z.
Apoio