Sachsenhausen, o campo de Berlim

A entrada do campo de concentração Sachsenhausen | Foto por Poliana Mendonça

“O trabalho liberta”, frase presente em muitos outros campos | Foto por Poliana Mendonça de Souza

 

Sempre acreditei que ir à Alemanha e visitar um campo de concentração deveria estar no checklist de todos aqueles que visitam o país. Não é um turismo agradável, pelo contrário, e acredito que o mesmo aconteça nos museus da Inquisição, e de outras atrocidades cometidas pela humanidade ao longo da história.

 

Mas por que visitar? Os campos de concentração são uma ferida aberta na Alemanha e na humanidade. Eles estão lá para que a Alemanha nunca se esqueça, para que você nunca se esqueça, para que o mundo nunca se esqueça. É por isso que existem esses tipos de museus, e é por isso que, apesar de causarem um nó no estômago, você não deve deixar de visitá-los.

 

Sachsenhausen é o campo mais próximo de Berlim. Construído a partir de 1936, começou a funcionar como prisão política para os oponentes do nazismo, a maioria deles, comunistas. A partir de 1938, após a Noite dos Cristais, chegaram os judeus, e somente a primeira leva contava com 6 mil berlinenses.

 

Esse campo não é tão grande quanto Auschwitz, mas não deixa de ser impactante – estima-se que 200 mil pessoas morreram aqui, incluindo soldados soviéticos, homossexuais e milhares de cidadãos de diversas nacionalidades. O campo ficou conhecido pelos famosos experimentos médicos dos nazistas, e pela maior falsificação de dinheiro da história, retratada no excelente filme alemão Os Falsários (Die Fälscher).

 

Sachsenhausen está localizado na pequena cidade de Oranienburg, a cerca de 40km de Berlim, e é acessível pelo sistema de trens S-Bahn. Pegando a linha S1, Oranienburg é a última estação. Mas atenção, se o seu bilhete te dá acesso às zonas A e B, você deve comprar um bilhete para a zona C, onde termina a linha S1. Da estação de trem até a entrada do campo, é uma leve caminhada de 20 minutos, por ruazinhas bucólicas e casas fofas, numa paz e silêncio que te faz pensar como deve ser ter um vizinho como esse logo ali ao seu lado.

 

Assim que passamos pela entrada principal, logo vemos os famosos portões de ferro com a frase Arbeit macht frei (O trabalho liberta), presente em diversos outros campos. É um local silencioso, uma visita introspectiva e de reflexão, e que não deve ser ignorada numa visita à Alemanha. O que vemos em seguida são cenas capazes de arrepiar a nuca de qualquer um:

 

O local em que os presos dormiam | Foto por Poliana Mendonça

O local em que os presos dormiam | Foto por Poliana Mendonça de Souza

 

Os lavatórios | Foto por Poliana Mendonça

Os lavatórios | Foto por Poliana Mendonça de Souza

 

Locais de fuzilamento | Foto por Poliana Mendonça

Locais de fuzilamento | Foto por Poliana Mendonça de Souza

 

Locais de fuzilamento | Foto por Poliana Mendonça de Souza

Locais de fuzilamento | Foto por Poliana Mendonça de Souza

 

A entrada do campo | Foto por Poliana Mendonça de Souza

A entrada do campo | Foto por Poliana Mendonça de Souza

 

Memorial às vítimas do campo | Foto por Poliana Mendonça

Memorial às vítimas do campo | Foto por Poliana Mendonça de Souza

 

Serviço:

Memorial and Museum Sachsenhausen

Endereço: Str. der Nationen 22, 16515 Oranienburg, Alemanha

Horário de funcionamento: 15 de março a 14 de outubro – diariamente das 08h30 às 18h / 15 de outubro a 14 de março – diariamente das 08h30 às 16:30

Preço: entrada gratuita