Roteiro para curtir dois dias no Porto, em Portugal

O Porto visto de Vila Nova de Gaia, cidade vizinha | Foto Juliana Maian

O Porto visto de Vila Nova de Gaia, cidade vizinha | Foto Juliana Maian

 

Por Juliana Maian

 

A cidade do Porto, em Portugal, recebeu o prêmio Travellers’ Choice, promovido pelo TripAdvisor, como um dos 52 destinos emergentes que obtiveram o feedback mais positivo dos utilizadores do portal de viagens. Porto ficou com o primeiro lugar na Europa e o terceiro no mundo todo! Realmente, esta pequena cidade merece a visita, seja por sua beleza, pela gastronomia ou pelos internacionalmente famosos vinhos… do Porto!

 

 

O roteiro abaixo é de dois dias e obviamente não precisa ser seguido à risca, mas já dá um panorama legal do que tem para ver na cidade. Não incluí museus, portanto considere um diazinho a mais se estiver a fim de visitá-los ou de entrar em todas as muitas igrejas que aparecerão no seu caminho. Confira no final do post um mapa do Porto com todas as atrações aqui citadas.

 

Primeiro dia no Porto

A sugestão é começar por uma caminhada pelo centro histórico do Porto. A cidade não é nada plana e muitas ruas são de paralelepípedos, então prepare as pernocas para boas subidas e vá com um calçado confortável!

 

Alguns pontos de interesse são:

 

Igreja dos Carmelitas

Igreja dos Carmelitas | Foto Juliana Maian

Belos azulejos adornam a fachada da Igreja dos Carmelitas | Foto Juliana Maian

 

Não tem como não se encantar pelas igrejas, com suas fachadas que exibem murais de azulejo lindos de morrer. Por dentro, são igualmente bonitas, cheias de ouro. Além da Igreja das Carmelitas, outro templo que chama a atenção é a Capela das Almas, que fica ao lado da estação de metrô Bolhão. A entrada na maioria delas é gratuita.

 

Livraria Lello & Irmão

Livraria Lello & Irmão | Foto Zizo Asnis

Para passar horas em meio aos livros | Foto Juliana Maian

 

Esta livraria, de 1906, é uma das mais antigas de Portugal e foi eleita pelo Lonely Planet como a terceira mais legal do mundo! O prédio, todo em estilo Art Nouveau, é realmente um espetáculo. Há rumores de que serviu de inspiração para J.K. Rowling, autora da saga Harry Potter, que morou no Porto por um tempo.

 

Para entrar na Lello, é preciso comprar um ingresso no valor de €3. Se você comprar algum livro, eles descontam esse valor do preço final da mercadoria.

 

Torre dos Clérigos

clerigos-1

Do alto, uma vista bem bacana da cidade | Foto Juliana Maian

 

Construída no século XVI, a Torre dos Clérigos faz parte do conjunto arquitetônico da igreja e da enfermaria dos Clérigos. Pagando €3, é possível subir por seus 240 degraus (75 metros = 6 andares) e ter uma vista privilegiada da cidade.

 

Praça da Liberdade

É a praça de onde se avistam vários prédios históricos e imponentes, como a prefeitura, o Palácio das Cadosas e o teatro Rivoli. Bem próximo dali também passa um bondinho super antigo (o “elétrico”, como é chamado pelos portugueses), que pode ser uma boa alternativa para dar um “giro” pelo bairro.

 

Estação São Bento

Estação de trem merece a visita | Foto Juliana Maian

Vá à estação mesmo se for não for viajar de trem | Foto Juliana Maian

 

É a estação central do Porto, de onde saem os trens (”comboios”, para os portugueses) para destinos como Guimarães e Braga, cidades bem próximas e que de repente valem um bate-e-volta, se você tiver tempo. Porém, se você não tiver trem nenhum para pegar, entre na estação mesmo assim. O lobby todo decorado com azulejos é de babar!

 

Catedral da Sé

| Foto Juliana Maian

No alto do Porto | Foto Juliana Maian

 

Localizada em uma área alta, com uma belíssima vista da cidade, a Catedral da Sé é outra construção que impressiona com seu dourado e opulento interior.

 

Cais da Ribeira

Cartão-postal da cidade | Foto Juliana Maian

Cartão-postal da cidade | Foto Juliana Maian

 

Região à beira do rio Douro, perfeita para um passeio romântico e para admirar a suntuosa Ponte Luís I, projetada por Théophile Seyrig, discípulo de Gustave Eiffel. Qualquer semelhança com a Torre Eiffel, definitivamente não é mera coincidência, veja só:

 

| Foto Juliana Maian

Do discípulo de Gustave Eiffel | Foto Juliana Maian

 

Se a esta altura já estiver batendo uma fominha, tem um restaurante gostoso e bem tradicional pertinho da Ribeira, o Postigo do Carvão. O atendimento é ótimo, a comida é saborosa e o preço é legal (ao contrário da maioria dos restaurantes da região, com menus mais caros, atendentes não necessariamente simpáticos e com a maior pinta de “pega-turista”).

 

Para os souvenirs, no número 13 da Praça da Ribeira tem uma lojinha muito fofa, com artigos bem diferenciados e bons preços, a Coisas de Cá. Ali, corre-se o sério risco de ter um pequeno ataque consumista.

 

Foz do Douro

| Thiago Correa

Ponto de encontro entre rio e oceano | Foto Thiago Correa

 

Saindo da Ribeira, pegue um bondinho ou um ônibus que vá pela margem do rio até a Foz, o ponto onde o rio Douro encontra o Oceano Atlântico. É lindo! Principalmente em dias de tempo bom, no final da tarde. Ótimo para tirar fotos e curtir um clássico pôr do sol à beira-mar.

 

Para o jantar, aproveite que já estará no meio do caminho e continue de ônibus até Matosinhos. Desça na parada do Mercado, volte a pé um pouquinho e encontre uma rua com várias “marisqueiras”. São restaurantes geralmente bem simples, especializados em peixes e frutos do mar. Os amantes das lulas, dos polvos e mariscos em geral podem comemorar!

 

Segundo dia no Porto

 

| Juliana Maian

Cava Ferreira | Juliana Maian

 

O segundo dia do roteiro é dedicado ao produto mais típico do Porto: o vinho. O vinho do Porto é um vinho especial, mais doce e também mais alcoólico que outras qualidades desta bebida. Deve ser consumido em pequenas quantidades, como aperitivo ou sobremesa, dependendo do tipo de vinho (que pode ser ruby, tawny, vintage ou branco – este último, mais difícil de encontrar fora de Portugal).

 

Uma curiosidade interessante é que o famoooooooso vinho do Porto não é produzido na cidade do Porto, e sim no Vale do Rio Douro, que fica a mais de 200 Km de distância.

 

Outra curiosidade: as diversas cavas (casas que estocam e comercializam o vinho) também não ficam na cidade do Porto, e sim na margem oposta do rio Douro, que já é outra cidade: Vila Nova de Gaia.

 

A cidade do Porto sempre foi o principal ponto de distribuição do vinho e deu a ele o nome pelo qual ficou internacionalmente conhecido. Portanto, do Porto, só o nome mesmo.

 

| Juliana Maian

Cava Ferreira | Juliana Maian

 

Como mencionado acima, as cavas ficam do outro lado do rio, então atravesse a ponte Luís I (vá pelo pavimento mais alto da ponte, pois a vista é demais!) e escolha por qual cava começar.

 

São mais de quinze e a maioria oferece tours guiados por uma média de €15 por pessoa. No tour, aprende-se sobre as técnicas de produção e os diferentes tipos de vinho do Porto e, no final, claro, tem uma degustação.

 

Fizemos o tour da cava Ferreira, uma das mais antigas da região, e o da Taylor’s, que fica bem no alto da encosta e oferece esta vista linda da cidade:

 

| Foto Juliana Maian

Vista da cava Taylor’s | Foto Juliana Maian

 

Também nos foram bem recomendadas as cavas Cálem (que tem show de fado no final do dia), Graham’s e Sandeman (esta última possui também um quiosque na praça em frente à Igreja dos Carmelitas, no Porto).

 

Os tours nas cavas são em português ou inglês e funcionam de manhã até meio-dia, reabrindo por volta das 14h. Como a maioria fecha às 17:30, se quiser beber um Porto “direto da fonte” à noite, vá até a cava Porto Cruz, que possui um espaço lounge funcionando até às 23h.

 

Além das cavas, em Vila Nova de Gaia também ficam o convento de Corpus Christi, com uma igreja beeeem antiga e super bonita, que pode ser visitada gratuitamente, e o Mosteiro da Serra do Pilar, Patrimônio da Unesco e ainda mais lindo à noite, todo iluminado:

 

| Foto Juliana Maian

Iluminação dá toque especial ao mosteiro | Foto Juliana Maian

 

Na hora da fome, a recomendação em Vila Nova de Gaia vai para o Dourum, outro achado em termos de custo-benefício no meio de tantos “menus turísticos” à beira do rio.

 

Comida

Ah… Portugal… Pense em uma lugar para comer maravilhosamente bem! Muito bacalhau, leitão, frutos do mar, doces maravilhosos… e tudo com preços bem menores em relação a muitos outros países europeus!

 

No Porto, a grande estrela típica do cardápio é a Francesinha: um tipo de croque-monsieur que vem com um molho muito louco que leva milhões de ingredientes. Você encontra em todo lugar: do botecão simples a versões mais “gourmetizadas”.

 

Também tem as “tripas à moda do Porto”, que é a nossa famosa “dobradinha”.

 

Outra coisa muito legal para quem está longe do Brasil há um tempinho são as padarias portuguesas, com atmosferas bem parecidas com as que conhecemos: vitrine de salgadinhos (se bobear dá até para achar coxinha!), misto quente e quindim. O bolo de chocolate da Padeirinha Doce vale cada caloria.

 

Hospedagem

Para finalizar, as dicas de hospedagem:

 

  • 12 Short Term: um conjunto de flats super bem localizado, com apartamento amplo, limpo, preço bacana e staff atencioso. A acústica do quarto deixa um pouco a desejar, mas não é nada que estrague sua viagem.
  • O Hotel Vincci: de padrão internacional, também é bem popular entre os turistas.
  • Para hostel, recebemos indicações super positivas do Porto Lounge Hostel.

 

Enfim, provavelmente você vai sair apaixonado pelo charme do Porto, com alguns quilinhos a mais e, por que não, um pouquinho embriagado… 😉