4 cidades para visitar na Renânia do Norte-Vestfália, na Alemanha

Por Jamile Diniz

 

Dentre os 16 estados da Alemanha, o mais populoso é a Renânia do Norte-Vestfália (Nordrhein-Westfalen, em alemão). O estado abriga a região mais populosa do país, o Vale do Ruhr, que oferece muitas possibilidades envolvendo cultura, paisagens, compras e trilhas, sem contar os grandes destaques arquitetônicos, como a Catedral de Colônia. E Renânia do Norte-Vestfália, com exceção de Berlim, é o lugar com vida noturna mais agitada do país.

 

Para saber mais sobre a Alemanha:

 

Renânia do Norte-Vestfália agrada e encanta os mais variados tipos de viajantes. A maior parte do estado é rural, sendo possível esquiar nas montanhas de Rothaar, no inverno, e praticar esportes aquáticos em Sauerland, no verão. No entanto, o extremo oeste é muito industrializado e abriga algumas das maiores cidades do país, todas muito próximas, fazendo com que se locomover utilizando trens e ônibus seja muito prático e fácil.

 

Confira algumas dicas do que visitar em quatro interessantes cidades de Renânia do Norte-Vestfália:

 

Düsseldorf

Altstadt, a Cidade Velha de Düsseldorf | Foto Allan Watt (CC BY-NC 2.0)

Altstadt, a Cidade Velha de Düsseldorf | Foto Allan Watt (CC BY-NC 2.0)

 

A capital de Renânia do Norte-Vestfália foi fundada em 1288 e é hoje um polo cultural e centro industrial, além de ser considerada a capital da moda na Alemanha. Aos fãs de compras que têm muito dinheiro para gastar, a dica é a Königsallee, via conhecida apenas como “Kö” pelos alemães e que conta com lojas luxuosas e caríssimas, como Louis Vuitton, Prada, etc.

 

Mas a visita também é válida ao viajante que não está exatamente nadando em rios de dinheiro: o local é muito agradável e conta com uma roda gigante e inúmeros carrinhos de foodtruck. Não muito longe dali fica a cidade velha, ou Altstadt, onde há diversos bares às margens do Rio Reno.

 

, vista de muitos lugares de Düsseldorf | Jamile Diniz

Rheinturm, vista de muitos lugares de Düsseldorf | Foto Jamile Diniz

 

Em dias de sol e durante jogos de futebol, tomar uma cerveja e comer a típica salsicha “Bratwurst” no local é um dos melhores programas a se fazer. Há inúmeros passeios de barco pelo rio e telões que fazem a região ficar extremamente lotada em dias de jogos de futebol  e dali se avista a Rheinturm (Torre do Reno), um dos símbolos da cidade que também abriga um restaurante giratório e mirante.

 

Colônia

Catedral e Ponte Hohenzollern, cartão-postal máximo da cidade | Foto Axel Kaufmann (CC BY-NC SA 2.0)

Catedral e Ponte Hohenzollern, cartão-postal máximo da cidade | Foto Axel Kaufmann (CC BY-NC SA 2.0)

 

A maior cidade da Renânia do Norte-Vestfália e quarta maior da Alemanha é bastante alegre e cheia de festas. Colônia é bastante conhecida por seu Carnaval, que atrai turistas de todo o mundo e agrada até mesmo aos brasileiros – tanto que chegou a ser considerada a cidade mais brasileira do país, contando com inúmeros bares e restaurantes da terra do canarinho.

 

Os moradores são muito sociáveis e boêmios, do tipo que, nos bares, sentam nas mesas da calçada (inclusive no inverno, com a ajuda de aquecedores portáteis e cobertores) e por ali vão ficando, conversando com as pessoas das mesas ao lado, pedindo uma cerveja e mais outra e mais outra…

 

Uma boa dica aos bons de copo e fãs de festa é visitar a Fischmarkt. Localizada na cidade velha, às margens do Rio Reno, o lugar, extremamente charmoso devido às casinhas coloridas pitorescas, é repleto de bares, restaurantes e boates, sendo um dos locais com vida noturna mais agitada do país.

 

Casinhas coloridas do Fischmarkt | Foto Jan Grosser (CC BY-NC-SA 2.0)

Casinhas coloridas do Fischmarkt | Foto Jan Grosser (CC BY-NC-SA 2.0)

 

A cidade conta com diversos museus, mas aos apreciadores de arte minha dica é o Museu Ludwig, que tem obras de Picasso, Mondrian, Marcel Duchamp, Andy Wahrol, Jackson Pollock e inúmeros outros artistas incríveis. É impossível caminhar pelas ruas do centro sem encontrar ao menos três artistas de rua (e inúmeras pessoas que realmente param para ouvir!). Resumindo: os viajantes brasileiros se sentem em casa.

 

Mas como falar de Colônia sem falar de seu maior e mais notável símbolo? A Catedral de Colônia, também chamada de Köln Dom, é a quinta mais alta do mundo (157,31m) e chama atenção pela complexidade e tempo de construção: iniciada em 1248, foi finalizada, após diversos intervalos, em 1880, ou seja, mais de 630 anos depois.

 

No interior da catedral, cuja entrada é franca, o destaque é para o Santuário dos Três Reis, uma urna de 2,20 m de comprimento coberta por ouro, prata e mais de 1000 pedras preciosas, que guardam os ossos dos três reis magos.

 

O sarcófago, considerado o maior relicário do mundo ocidental, é cercado por uma cúpula de vidro e portões, fazendo com que não seja possível vê-lo tão de perto. Ainda assim, é um dos monumentos mais visitados da Alemanha e foi o que elevou Colônia ao status de cidade sagrada do cristianismo.

 

Por €2,50, também é possível subir até a torre. Apesar da vista incrível que se tem lá do alto, eu não recomendaria o passeio àqueles que têm problemas cardíacos ou estão muito fora de forma: a subida e a descida são realizadas em uma mesma escada íngreme de 533 degraus, haja fôlego!

 

Bonn

Rua de pedestres em Bonn | Jamile Diniz

Rua de pedestres em Bonn | Jamile Diniz

 

A cidade que foi capital do país, quando Berlim era dividida ao meio, é, além de arquitetonicamente linda, um prato cheio para quem gosta de arte, história e cultura em geral. Muita gente não entende como a Alemanha passou de um Estado nazista, que cometeu inúmeros crimes contra a humanidade, para uma das maiores potências econômicas mundiais e que, hoje, até recebe refugiados.

 

Uma boa (e necessária) pedida para aqueles que precisam se informar melhor sobre o assunto é o Haus der Geschichte, em tradução livre “Casa da História”. Esse museu, como o nome supõe, conta a história da Alemanha a partir de 1945, mostrando as consequências da Segunda Guerra e como esses acontecimentos fizeram com que ao longo dos anos o país mudasse drasticamente de postura, ídolos e ideais.

 

O Haus der Geschichte também explica como foi a reunificação de um país que durante 28 anos foi dois (completamente diferentes!) e como isso afeta a cultura e a política até hoje. Tudo isso por meio de objetos da época, como um pedaço do muro de Berlim, e cenários que fazem com que o visitante se sinta dentro da história; a entrada é gratuita.

 

Objetos na Haus der Geschichte | Foto Holger.Ellgaard (CC BY-SA 3.0)

Objetos na Haus der Geschichte | Foto Holger.Ellgaard (CC BY-SA 3.0)

 

Bonn também é conhecida por ser a cidade natal de Ludwig van Beethoven. A casa onde o músico nasceu abriga hoje o Beethoven-Haus Bonn Museum, o museu com o maior acervo sobre ele do mundo, dispondo de inúmeros de seus instrumentos e até de uma mecha de seus cabelos. O ingresso custa €6 (€4,50 para estudantes), mas há tours em inglês de graça, extremamente necessários aos que não falam alemão, já que a maioria dos objetos não têm legendas em inglês.

 

Uma outra atração famosa da cidade é a Universidade de Bonn, ou só “Universität”. Fundada em 1818, a escola ocupa o que entre 1607 e 1705 foi o palácio do príncipe eleitor. No verão as pessoas fazem piqueniques e tomam sol no gramado em frente ao prédio majestoso. Não muito longe dali fica a praça central do mercado, onde inúmeras barraquinhas tradicionais vendem produtos típicos e foodtrucks. Porém, o maior destaque do entorno é o prédio barroco tardio da prefeitura (Rathaus).

 

Aachen

Centro de Aachen visto do prédio da prefeitura | Foto lokilech (CC BY-NC-SA 2.0)

Centro de Aachen visto do prédio da prefeitura | Foto lokilech (CC BY-NC-SA 2.0)

 

O local em que Carlos Magno foi coroado e escolheu viver tem uma localização privilegiada: a fronteira entre Alemanha, Bélgica e Holanda. Isso dá a essa cidade alemã características únicas provenientes da mistura de culturas que ali acontece. O viajante se depara com a arquitetura alemã, os chocolates belgas e as bicicletas e flores holandesas, além do que restou da herança dos romanos, que fundaram o lugar no século 1º por conta de suas fontes de água quente.

 

Um dos símbolos da cidade é a Catedral de Aachen, também chamada de Pfalz, cuja data de fundação é um mistério, embora saiba-se que ela já existia no século VII. O ponto alto é o Santuário de Carlos Magno, feito de prata e pedras preciosas. É ali que repousam os restos mortais do imperador, declarado santo em 1165, e grande motivo de orgulho para cidade. A entrada é franca, embora seja necessário pagar €1 caso o visitante queira tirar fotos. Eu, que nunca tinha visto isso na vida, achei que o segurança estava brincando quando me cobrou.

 

Interior da Catedral de Aachen | Foto Jamile Diniz

Interior da Catedral de Aachen | Foto Jamile Diniz

 

Aos que desejam conhecer mais sobre a história de Aachen, recomendo uma vista ao Centre Charlemagne, museu que conta a história do local desde o Paleolítico, mas se aprofunda mesmo em Carlos Magno. A entrada custa €5, mas aos que não falam alemão, é importante também comprar o audioguia, porque, como em muitos museus no país, não há legendas em inglês em todas as obras.

 

Visitar a Tríplice Fronteira é outra atração querida por turistas que querem estar em três países ao mesmo tempo; próximo ao local há alguns bares e restaurantes que valem uma tarde. Também há um mirante de onde se pode ver a Alemanha, Bélgica e Holanda, mas o passeio vale mais a pena durante a primavera e o verão, quando por ali muitas pessoas fazem piqueniques e tomam sol.

 

Como chegar às cidades da Renânia do Norte-Vestfália?


Todas essas quatro cidades são próximas e o acesso é bastante simples porque muitos trens e ônibus fazem essas rotas durante todo o dia. Se tivermos como ponto de partida a maior cidade da região, Colônia, é possível pegar um trem para Düsseldorf, que fica a apenas 40 km dali, mais de uma vez por hora. Para Bonn, apenas 30 km de distância, é possível ir de trem, de ônibus e também de U-bahn, o metrô. A cidade mais distante é Aachen e, mesmo assim, são apenas 73 km de distância e trens parte de hora em hora.

 

Está planejando uma viagem para a Alemanha? O Guia O Viajante Norte da Europa contém informações completas sobre os principais destinos do país.



Jamile Diniz

Jamile Diniz, existe e, como um certo Pessoa já disse, para viajar basta isso. Perde-se em tudo quanto é canto e é isso o que a encanta: o novo e o desconhecido, que pode estar ao lado ou a meio mundo de distância. Paulistana, pretende cursar jornalismo e conhecer o mundo inteiro.

  1. Kátia

    Muito rico seu texto. Cheio de história que aumentam a curiosidade pelo local e cheio de dicas que facilitam a vida do turista!! Adoro seus textos!!

    Responder
  2. dione

    Das 3, Aachen, eu nunca tinha ouvido falar. O que é esse vitral na Catedral de Aachen. Uau. Uma tripla fronteira entre Alemanha, Bélgica e Holanda. Boa dica, Jamile. Historicamente, ainda teve a coroação de Carlos. Essa cidade me despertou muito interesse pelo material que você veiculou. Obrigada pela oportunidade de viajar sem pagar, em suas palavras.

    Responder
  3. Lúcia

    Parabéns Jamile!
    Que menina viajada e observadora! Como escreve bem!
    Dez anos vividos em 1. Inesquecível.
    Bjo e até a volta!

    Responder

Comentários

  • (will not be published)

* Comentários mediante moderação