Litoral norte de São Paulo: Roteiro para viagem de 10 dias

Litoral norte de São Paulo: Roteiro para viagem de 10 dias

Saco do Eustáquio, em Ilhabela. Uma das paradas durante o passeio de barco que vai até a Praia de Castelhanos.

 

Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba: Roteiro de 10 dias

Me sinto um privilegiado morando a pouco mais de três horas do litoral norte de São Paulo. Eu sei, se a distância fosse menor, melhor seria. Porém, ainda assim, me parece pouco tempo para ter a honra de explorar destinos pra lá de especiais, como, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba.
E acredite: mesmo que você more em outro estado brasileiro, programar umas férias inteirinha para conhecer estas, e quem sabe outras praias de São Paulo, vale muito a pena.
Mesmo meu carinho por estas bandas do estado me tonar suspeito para falar das suas belezas, pode apostar que não faltarão lugares incomparáveis para você conhecer durante a sua viagem.

 

# Como se locomover por este roteiro?
Salvo raras exceções quando viajo com amigos, quase sempre viajo de ônibus para o litoral norte de São Paulo. Porém, não posso afirmar que esta seja a maneira mais prática.
Saindo de São Paulo, chegar a Ilhabela, São Sebastião ou Ubatuba de ônibus é relativamente simples, já que há muitas saídas durante o dia, com as empresas Litorânea e Reunidas. O grande inconveniente será para se locomover entres os diferentes pedaços de areia destes destinos. Afinal, as praias costumam ser distantes umas das outras, os ônibus públicos tem horários espaçados e, muitas vezes, você precisará caminhar um bocado no percurso do ponto de ônibus até a praia.
Além disso, se você for de outro estado e desembarcar primeiramente em algum aeroporto paulista, a viagem se torna ainda mais cansativa.
Dado tais condições, não há dúvidas de que o melhor jeito para se locomover neste roteiro pelo litoral norte de São Paulo é de carro.
Dá pra fazer tudo de ônibus? Com certeza. Eu mesmo já fiz diversas vezes e ainda farei muitas outras. Porém, lembre-se de que você precisará de mais disposição e paciência. Seja para esperar algum ônibus atrasado, ou para enfrentar alguma caminhada mais longa.

 

# Dia 1: Deslocamento até Ilhabela
Assim como o primeiro dia de qualquer viagem, parte das suas primeiras 24 horas na estrada serão dedicadas ao deslocamento até Ilhabela.
Se você conseguir se programar para ter a tarde livre, ou ao menos parte dela, a dica é aproveitar para conhecer alguma praia perto da onde estiver hospedado.
Caso sua acomodação fique na Vila – o centrinho histórico, comercial e gastronômico de Ilhabela – uma boa pedida não muito longe dali é a urbana Praia do Perequê.
Indo para o norte, algumas opções a menos de cinco quilômetros da Vila é a Praia do Viana, com a famosa casquinha de siri do Restaurante do Viana, e a Praia da Pedra do Sino.

 

O centrinho turístico de Ilhabela, conhecido também como Vila.

 

# Dia 2: Praia do Curral, Cachoeira de Paquetá e Praia da Feiticeira
Localizado no sul de Ilhabela, a Praia do Curral é uma das mais famosas da ilha graças a sua faixa de areia espaçosa, boa estrutura e badalação. Apesar da oferta generosa de quiosques pé na areia, um dos points mais animados é o DPNY, um clube de praia bastante elegante.
Fique na Praia do Curral até a hora do almoço e depois rume para a Cachoeira de Paquetá. O começo da trilha que nos leva a três quedas d’água está a um quilômetro e meio da praia.
Sobre a trilha, chegar ao primeiro poço exige pouco esforço e não mais do que vinte minutos. Para seguir adiante espere percursos mais cansativos. Porém, para a nossa alegria, os cenários ficam mais encantadores na mesma proporção.
No último poço se forma uma espécie de piscina natural com borda infinita e vista para o mar. Um verdadeiro capricho da natureza que exige atenção na hora de desfrutarmos de tal paisagem. Afinal, as pedras escorregadias costumam derrubar na água os viajantes mais distraídos.
Na sequência, aproveite o restante do dia na pequena, bonita e sem estrutura Praia da Feiticeira. Se fizer questão de algum restaurante ou barzinho por perto, a Praia Grande é outra alternativa que está bem ao lado.

 

Vista do último “lance” da Cachoeira de Paquetá, em Ilhabela.

 

# Dia 3: Passeio de barco
Fazer um passeio de barco em Ilhabela é a melhor forma de conhecer suas praias mais selvagens, seja a Praia de Castelhanos ou a Praia do Bonete.
O passeio mais tradicional, e que fiz, é o que vai até Castelhanos. O tour, que é um dos mais tradicionais na cidade, inclui ainda paradas rápidas em outros lugares, como a Praia da Fome e o Saco do Eustáquio.
Vale informar, porém, que o passeio mais clássico é feito parte por mar e parte por terra. Ou seja, a ida é feita de barco e a volta de jipe. Ou vice-versa. Isso porque, dessa forma também podemos aproveitar os mirantes da estrada de Castelhanos, que passa por dentro do Parque Estadual Ilhabela.
Uma vez na Praia de Castelhanos, aproveite para subir ao mirante que nos dá a verdadeira noção da beleza desta praia, e almoce em algum dos poucos restaurantes que há por lá. Leve dinheiro em espécie para consumir na praia.
O passeio custa em torno de R$ 150,00 por pessoa.

 

Vista do Mirante da Praia de Castelhano.

 

# Dia 4: Praia do Jabaquara e Praia da Armação
No extremo norte de Ilhabela, a Praia do Jabaquara é considerada por muitos uma das mais lindas da ilha. E não é à toa, afinal, seu ambiente selvagem, mar esverdeado e areia dourada, realmente formam um visual pra lá de fotogênico.
O acesso é por uma estrada de terra, e pode ser feito com veículos de passeio. Apenas evite se tiver chovido muito no dia anterior.
Já a Praia da Armação é um dos pedaços de areia mais procurados por famílias e praticantes de atividade náuticas, Sim, dois perfis de viajantes aparentemente opostos, mas que dividem o mesmo espaço.
Enquanto no canto esquerdo o mar calmo e um restaurante bacaninha faz a alegria de quem quer sombra e água fresca, o canto direito é ocupado por quem quer praticar vela e outras atividades no mar.

 

Praia da Armação, em Ilhabela.

 

# Dia 5: Deslocamento até Maresias
Depois de dias intensos em Ilhabela, é hora de conhecer as praias continentais de São Sebastião. E, para mim, a melhor base para essa parte do roteiro pelo litoral norte de São Paulo é a Praia de Maresias.
Os quase trinta quilômetros do local de onde saem as balsas que liga Ilhabela ao centro de São Sebastião, Maresias oferece boa estrutura de bares, restaurantes, acomodações, além de uma faixa de areia para viajante nenhum botar defeito.
Depois de chegar na vilazinha e fazer check-in no seu hotel, aproveite o dia para curtir a própria Praia de Maresias.
Ou se quiser ter uma vista panorâmica da região, faça a travessia entre a Praia de Maresias e a Praia da Paúba. O caminho tem cerca de dois quilômetros, e pode ser percorrido sem grandes dificuldades em aproximadamente quarenta minutos.

 

Fim de tarde na Praia de Maresias.

 

# Dia 6: Praias Toque-Toque e Praia da Galheta
A primeira dica para conhecer estas três praias, que aliás, também vale para Ilhabela, é: use e abuse do repelente. Devidamente protegido, vá em direção a Toque-Toque Grande, que é a mais afastada de Maresias e, por incrível que pareça, menor do que sua irmã Toque-Toque Pequeno. Vai entender.
Por lá, não espere encontrar nenhuma estrutura mirabolante e comércios por todos os lados. Pelo contrario. Ao menos na baixa temporada, me deparei com um lugar ideal pra quem quer tranquilidade.
Mais deserta do que ela é a Praia da Galheta, que fica dentro de um condomínio particular e com acesso liberado a pedestres. Se quiser passar o dia neste paraíso pouco frequentado, leve todas as parafernálias que você precisa para um dia de praia. (Inclusive comes e bebes).
A última a ser visitada neste dia é a Toque-Toque Pequeno. Um bairrinho simpático que, apesar de não ter estrutura pé na areia, oferece alguns restaurantes e comércios em geral na área urbana.

 

Praia da Galheta, em Maresias.

 

# Dia 7: Praias de Juquehy, Camburi e Camburizinho
A vinte e cinco quilômetros de Maresias, a Praia de Juquehy é uma das mais estruturadas e organizadas de São Sebastião. Com uma vizinhança agradável, é o lugar ideal pra quem não abre mão de bons serviços mesmo estando na praia. Inclusive, aproveite para almoçar por lá antes de partir para as outras praias deste dia: Camburi e Camburizinho.
Separadas pelo Rio Camburi, estas duas praias formam uma das paisagens mais bacanas de São Sebastião. Apesar do púbico eclético que as duas recebem, é bom lembrar que o mar é agitado por estes lados. Portanto, não de bobeira no mar.

 

Rio Camburi, que separa as praias do Camburi e Camburizinho.

 

# Dia 8: Deslocamento até Ubatuba
A viagem está quase no fim, porém, fique tranquilo que a qualidade das praias não vai cair nenhum pouco por conta disso.
Depois de gastar parte do dia com deslocamento e organização na sua nova hospedagem, dedique o restante do dia a explorar alguma praia próxima de onde estiver hospedado.
Se estiver no centro ou no bairro de Itaguá, as preservadas Praia do Cedro e Vermelha do Centro, ou as urbanas Praia do Tenório e Praia Grande, são algumas opções convenientes.

 

Praia Vermelha do Centro, em Ubatuba.

 

# Dia 9: Praia do Félix e Praia de Itamambuca
Ao norte de Ubatuba, duas das minhas praias favoritas e que eu recomendo neste roteiro pelo litoral de São Paulo é a Praia do Félix e a Praia de Itamambuca.
A primeira, possui ambiente selvagem, mar esverdeado e calmo, e apenas alguns quiosques improvisados na alta temporada. Inclusive, nos dias mais concorridos é bom chegar cedo para garantir seu lugar na sombra.
Já Itamambuca faz o estilo praião, com mar agitado e astral lá em cima. Apesar de ser o point dos surfistas, famílias também aproveitam esta parte de Ubatuba. Principalmente o canto direito, que é o mais estruturado e onde deságua o Rio Itamambuca.

 

Praia do Félix, em Ubatuba. Com mar calmo e ideal para família com crianças.

 

# Dia 10: Praia próxima e retorno
Se você é do tipo de viajante que gosta de aproveitar a viagem até o último minuto, programe seu retorno somente para depois do almoço. Ou ainda, se possível volte pra casa somente quando o sol se esconder.
Aproveite este dia para ficar à toa em uma única praia, seja ela uma conhecida dos dias anteriores, ou um cantinho novo. Neste último caso, algumas praias que eu gosto bastante e recomendo, é a Praia da Almada e a Praia do Prumirim.
Independente de qual seja a sua escolha, tenho certeza de que levará boas recordações do litoral norte de São Paulo.

 

Praia da Almada, em Ubatuba.

 

# Bônus: Trindade e Paraty
Se você tem mais dois ou três dias disponíveis, considere incluir na sua rota a dupla Trindade e Paraty, que estão a aproximadamente 70 quilômetros do centro de Ubatuba.
Principal destino turístico do estado do Rio de Janeiro, Paraty encanta os viajantes com sua arquitetura colonial sedutora e restaurantes deliciosos. Além disso, a cidade possui um calendário de festivais capaz de agradar os mais exigentes dos viajantes.
Já a vilazinha de Trindade, a menos de trinta quilômetros do centro-histórico de Paraty, tem as praias que a região central do município não tem. Ideal para um passeio bate-volta – ou quantos dias de bobeira você preferir – Trindade deve ser aproveitada com calma e sem compromisso, preferencialmente durante a semana e longe de feriados, que é quando a tranquilidade reina por aqui.

 

 

Colaborador: Murilo Pagani