Brixton, o lado b de Londres: bacana e barato

Mural da Morley’s Department Store homenageando David Bowie | Foto: Jamile Diniz

 

É inadmissível ir a Londres e não ver o Big Ben e a London Eye, cruzar Abbey Road, andar em um dos típicos ônibus vermelhos de dois andares, ver a troca da guarda real, tirar uma foto nas icônicas cabines telefônicas e dançar nas baladas em Shore Ditch. No entanto, para conhecer verdadeiramente uma cidade é preciso visitar mais do que o usual, até porque há lugares incríveis desconhecidos por turistas.

 

Lado b

 

Uma boa pedida é o jamaicano Brixton. Localizado no sul da capital inglesa, o bairro me foi indicado por amigos britânicos. Minha visita à princípio se deu em razão do memorial do cantor David Bowie, morto em 2016 e eternizado por um graffiti em uma parede próxima à saída do metrô. Ali manifestações culturais são corriqueiras, assim como a presença de inúmeras flores e de homenagens deixadas para o eterno camaleão do rock que nasceu e cresceu por lá.

 

Mas vale adentrar o bairro além da saída do metrô.

 

Muitas cores em pinturas pelas ruas | Foto: Jamile Diniz

 

Habitado por caribenhos, majoritariamente jamaicanos, em Brixton feiras ao ar livre vendem legumes, verduras, frutos do mar e doces típicos a preço de banana… ou melhor, a preço de banana no Brasil. Em alguns food trucks sul-americanos é também possível encontrar pratos brasileiros, como tapioca e o bem e velho churrasquinho.

 

Vida cultural

 

Durante a noite o bairro ganha vida em animadíssimos bares com muita música ao vivo e dança, onde é praticamente um pecado não provar uma Dragon Stout, forte e barata cerveja jamaicana. Inúmeras casas de show e boates concentram a cena musical, como é o exemplo da Brixton Academy e do Electric Brixton. Mas a verdade é que o diferencial do bairro está em cada esquina, com suas constantes batalhas de rap, concursos de dança e músicos de rua.

 

Inglaterra e Jamaica também entram em contraste através da arte | Foto: Jamile Diniz

 

O local é sinônimo de cultura negra/caribenha, arte e diversidade. Essa mistura toda é celebrada em um festival que acontece anualmente próximo ao dia 6 de agosto, data da Independência da Jamaica e que atrai dezenas de milhares de pessoas com sua boa música e causas sociais.

 

Mas, se o bairro não te conquistar pelo estômago e ouvidos, vai te conquistar pelo bolso.

 

Compras

 

O Camden Market, localizado do outro lado da cidade, é conhecido por muitos turistas por ser um mercado em que se encontra discos, roupas de brechó, piercings, tatuagens e as mais loucas e inimagináveis coisas. Acontece que o local se tornou um dos mercados mais visitado de Londres e, além da alta dos preços, ficou quase impossível de circular por ele nos fins de semana.

 

Motivos indianos fazem parte do mix cultural que faz do bairro tão único | Foto: Jamile Diniz

 

O que muita gente não sabe é que muito do que é vendido em Camden também pode ser encontrado em Brixton, em seus mercados e barraquinhas ao ar livre. E, além de os preços serem infinitamente mais baixos, é possível (e por vezes até estimulado!) pechinchar. Encontrei os mesmos discos de vinil e as mesmas roupas por preços algumas dezenas de libras menores.

 

Por um motivo ou outro Brixton cativa e entretém o visitante que, na maioria das vezes, acaba voltando.