66 histórias de uma volta ao mundo: Índia

Taj Mahal, símbolo maior do amor, em Agra

Taj Mahal, símbolo maior do amor, em Agra

 

Por Nara Alves

 

Voamos de Bangkok, na Tailândia, para Nova Deli, na Índia. Antes de chegarmos, queríamos viajar pelo país de forma independente, como fizemos até aquele momento. Mas, logo no primeiro dia, tivemos a sensação de que seria melhor contratarmos uma agência de viagens, com carro e um motorista que falava minimamente o inglês, para evitarmos ciladas.

 

Escolhemos a agência que atendida dentro do nosso hotel e fechamos um pacote para o Rajastão, parando em diversas cidades históricas pelo caminho. Voltamos a Nova Deli e, de lá, partimos de trem para o norte indiano, para Rishikesh, destino de todos os bicho-grilos do planeta. De Rishkesh, voltamos para Nova Deli também de trem.

 

Dica de viagem

Bernardo em frente ao Rio Ganges em Rishikesh

Bernardo em frente ao Rio Ganges em Rishikesh

 

Na entrada da estação de trem, se algum funcionário te abordar, uniformizado e com crachá de identificação, solicitando sua passagem ou seus documentos, informando que sua viagem foi cancelada e que será necessário trocar sua passagem, saia correndo. Não confie em ninguém. Vá você mesmo verificar a situação do trem na própria plataforma, onde há um painel com os próximos trens. A chance de ser um golpe que fará você gastar o dobro de dinheiro é grande.

 

Raio X

As ruas de Nova Deli, um caos além do imaginável

As ruas de Nova Deli, um caos além do imaginável

 

Tempo no país: 14 dias
Locais visitados: Rajastão (Pushkar, Udaipur, Jaipur), Nova Deli, Agra e Rishikesh
Visto necessário? Sim
Gasto com visto: 60 dólares
Transporte aéreo: 856,50 dólares
Transporte terrestre longa distância: 265 dólares
Transporte local: 20 dólares
Hospedagem: 190 dólares
Alimentação: 81 dólares
Lazer: 33,70 dólares
Total por pessoa na Índia com passagem aérea: 1506,20 dólares (107,5 dólares/dia)
Total por pessoa na Índia sem passagem aérea: 649,70 dólares (46,40 dólares/dia)

 

Trecho do livro “66 histórias de uma volta ao mundo”

Eu devia ter prestado mais atenção na novela Caminho das Índias. Passei boa parte do safári em cima de um camelo, no deserto do Rajastão indiano, fronteira com o Paquistão, tentando lembrar o nome dos personagens do triângulo amoroso entre Juliana Paes, Márcio Garcia e Rodrigo Lombardi – e de quais castas eles pertenciam. Missão impossível sem o Google. Tudo o que me vinha à cabeça eram as expressões “are, marido”, “auspicioso” e “vai queimar no mármore do inferno”.

 

Agora, sim, recapitulando: Maya (Juliana Paes), da casta dos comerciantes, apaixona-se por Bahuan (Márcio Garcia), do grupo dos dálits, os pobres intocáveis sem casta. Como esse amor é culturalmente inaceitável na Índia, Maya, mesmo estando grávida de Bahuan, acabou se casando com Raj (Rodrigo Lombardi), também da casta dos comerciantes. A trama se passava no Rajastão e teve várias cenas gravadas na cidade de Pushkar, onde coincidentemente fizemos o safári de camelo. Viva o Google! Viva a Glória Perez!

 

País anterior: Tailândia

Próximo país: Nepal

 


capapng_9788587896216_____66-historias-de-uma-volta-ao-mundo_editora-o-viajante

Quem largaria um belo emprego na TV para sair pelo mundo experimentando as mais diversas culturas? Nara Alves. Acompanhada de seu namorado, Bernardo, entre 2014 e 2015 a moça se aventurou por 22 países da América do Norte, da Ásia, da Oceania, do Oriente Médio e da Europa.

 

Saiba mais: 66 histórias de uma volta ao mundo